• Black Facebook Icon
  • Black Instagram Icon

Começou como uma ideia, virou uma marca, ateliê, galeria de arte e local para residência artística.

 

Como Galeria, o objetivo é apresentar tendências do universo do street-art.

Realizamos exposições e possuímos um acervo que oferece uma imersão no mundo desta arte  tão contemporânea.

Também desenvolvemos um trabalho autoral fundamentado no aproveitamento de “resíduos urbanos”, mixando o upcycle, vintage e industrial:

+ STREET ART

+ UPCYCLE
+ INDUSTRIAL

+ DESIGN

+ VINTAGE

+ GRAFFITI

Nosso formato é diferente das galerias convencionais.

Estamos dentro de uma 

residência transformada em galeria: aqui as obras decoram, constroem e fazem os ambientes.

É a arte dando dignidade ao que já teve lugar no passado, preservando a história e ocupando espaços.

O nome da casa foi inspirado por seu idealizador - José Brazuna - criado no bairro de Jacarepaguá, Rio de Janeiro, onde viveu uma infância feliz , repleta de aprendizado. 

Quer arte na parede da sua casa? Do seu escritório?

O que acha de uma obra de arte feita sob medida, desenvolvida em conjunto com seu artista preferido, só para você?

E que tal um projeto com iluminação industrial, moveis vintage, upcycle e ainda ornamentado com street art?

 

Pode ser para a sua casa, seu escritório, bar, restaurante, etc... é só ligar!

Temos um amplo acervo, artistas, uma oficina e muitas idéias.

 
 

FABIO BIOFA

Ilustrador, artista gráfico e plástico, é no grafite que Biofa se manifesta com maior emoção. 

Autor de um traço bastante geométrico, Biofa expõe seu universo lúdico e autêntico através da criação de tipografias, personagens virtuais e físicos. 

Tem como prazer e consciência reciclar objetos que antes eram lixo, e também de colorir lugares antes esquecidos pela sociedade.

 

O objetivo é sentir que as pessoas que ali fixam seus olhares reajam a indiferença: seja mera contemplação, seja crítica, o importante é que o espaço ou os objetos passem a ter utilidade e mexam com as pessoas.

FABIANO SENK

Novo talento das ruas, começou na cena do grafite em 2007 em São Mateus.
 

Navega no universo do surrealismo e do exagero. Seus personagens, em geral garotos de pele rosa, com formas exageradas, e disformes pedalam monociclos, passeiam entre as nuvens, ou vagam no espaço infinito.

O pequeno príncipe encontra a psicodelia, com seus planetas fantásticos e seus meninos.

Fs

GUIGA
 

Sua trajetória começa na década de 90, mais exato em 96, com o primeiro contato através da pichação, que foi uma influência muito grande e também os primeiros graffitis da quebrada Sapopemba (zona leste).

 

Começou a fazer e viu que era aquilo que gostava e fascinava, uma fixação pelo bomb...


Com sua simplicidade, rapidez e atitude tomou como referência e paixão deixando a cada rolê uma sensação inexplicável.

  • Facebook - Black Circle
  • Twitter - Black Circle
  • Google+ - Black Circle
  • YouTube - Black Circle
  • Pinterest - Black Circle
  • Instagram - Black Circle
 

Request a free quote - no obligation! 

Fill in the form and I will contact you ASAP

123-456-7890

FABIANO SENK

Novo talento das ruas, começou na cena do grafite em 2007 em São Mateus.

Navega no universo do surrealismo e do exagero. Seus personagens, em geral garotos de pele rosa, ou em folha de ouro, com formas exageradas, e disformes, pedalam monociclos, passeiam entre as nuvens, vagam no espaço infinito, passeiam de barco, ou pousam em cenários áridos.

O pequeno príncipe encontra a psicodelia, com seus planetas fantásticos, seus meninos, mas também homens e mulheres sofridos e bastante duros.

Apesar da origem no street art, é forte a referência no trabalho de Senk do universo do Sertão do Vale do Jequitinhonha, região de origem de sua família.


O mix das ruas com a referência rural tornam o trabalho do artista bastante particular.

Fs

FABIO BIOFA

Ilustrador, artista gráfico e plástico, é em grafite que o Biofa se manifesta com maior emoção.

 

Autor de um traço muito geométrico, a Biofa expõe seu universo lúdico e autêntico através da criação de tipografias, personagens virtuais e físicos.

 

É com prazer e consciência que recicla objetos que antes eram lixo e também colorem lugares antes esquecidos pela sociedade.

 

O objetivo é sentir que as pessoas que fixam os olhos reagem à indiferença: seja mera contemplação ou crítica, o importante é que o espaço ou os objetos se tornem úteis e movam as pessoas.

GUIGA
 

Sua trajetória começa nos anos 90, mais exata em 96, com o primeiro contato através do grafite, que foi uma influência muito grande e também o primeiro graffitis do barranco de Sapopemba (área oriental).

 

Ele começou a fazer e viu que era o que ele gostava e fascinava, uma fixação para a bomba ...

 

Com sua simplicidade, velocidade e atitude tomaram como referência e paixão deixando cada rolo uma sensação inexplicável.

Ga

CUSCO REBEL

A arte das ruas e a cultura do skate são elementos presentes no trabalho de Cusco.

 

Ele descobriu sua vocação no final dos anos 80, quando ganhou seu primeiro skate e se concentrou nesse estilo de vida.

 

A inspiração vem do cotidiano e das referências que a cidade oferece. As ruas, a arquitetura e os obstáculos remetem ao universo urbano presente no trabalho do artista. Assim como o skate, ele permite que idéias soltas busquem inspiração e forma, personalidade e cor para suas criações.

Cr

CIRO SCHU

Ciro Ernesto Schunemann nasceu em São Paulo e começou a pintar nas ruas nos anos 90 em Santo André. Graduou-se em Belas Artes pela Faculdade de Artes Alcântara Machado.

Ciro desenvolve uma arte abstrata e figurativa. Mistura diversos símbolos e grafias, com inspiração nos traços e signos dos povos originários das Américas.

Suas simbologias misturam a arte antiga com a vida contemporânea, remetendo a situações cotidianas e objetos dos mais diversos. Suas feições destacam o que antes parecia invisível ou óbvio na cena cotidiana. Suas imagens são estranhas e carregadas de formas imperfeitas.

Cs

GEN DUARTE

Começou em grafite no final dos anos 90 e eventualmente migrou para as belas artes.

O diálogo entre o estúdio e a cidade é recorrente em sua produção. Com uma pesquisa artística baseada no choque entre a geometria e o orgânico, suas imagens são carregadas de padrões, ritmo e dinamismo.

Dentro de um colorismo vibrante que aparece em camadas, justaposições e sobreposições, os campos são delimitados pelo encontro das cores.

Subjetivamente, é possível criar paralelos e diálogos com os padrões geométricos, pinturas tribais e a arte decorativa de várias culturas, povos e épocas.

O artista já expôs suas obras em outros países, como Argentina, Inglaterra e Estados Unidos.

DERLON

Fazendo da fissão entre xilogravura e street art uma das fontes de inspiração, Derlon criou graffiti que percorre esses dois campos. O resultado é uma produção única e autoral que leva a arte urbana às raízes da arte popular. Sua linguagem privilegia poucas cores contrastantes, evocando a estética da literatura de cordel, impregnada de sua visão artística.

Quando viu o libreto nos mercados populares de Recife, quando menino, não imaginava que naquelas xilogravuras seria a maior inspiração para a identidade de sua arte, que depois exibia em Londres, Paris e Amsterdã. Hoje, seu trabalho é considerado uma das expressões mais brasileiras na arte de rua.

Novo, pop e instigante, o universo retratado é cheio de referências ao Brasil, encantando aqui e no exterior.

Gd

Dn

SÉRGIO FREE

Natural da Bahia, chegou em SP em 86, e, começou a perceber a arte urbana, por meio das pichações, enquanto fazia pequenos trajetos pelo bairro. Inspirado neste universo, começou a riscar paredes pela vizinhança com caneta hidrocor.

Aos 8 anos, ajudou uns pichadores do bairro, e, só percebeu que aquilo que ele gostava e admirava não era bem visto por todos quando a polícia levou todos os rapazes.

Em seu estudo observacional de prédios e paredes pichadas aprendeu a valorizar a arquitetura. Conhecia os muros, sabia dos pixos que foram apagados e dos que se apagaram com o passar do tempo. Em 1996, entrou para o grupo APACHES e seguiu representando suas influencias até o final da década de 90.

Seu trabalho artístico “congela vivências”, mixa suas lembranças do universo da pichação, e, a observação da arquitetura da Metrópole, reproduzindo cenários urbanos realistas, e personagens contrastantes como o palhaço, que muitas vezes representa a sociedade.

Sf

ANDRÉ BRUNHARO

 

Sua carreira começou na decoração de interiores e produção de displays. Em sua produção artística e artística, pode-se observar poéticas baseadas em perspectiva, ponto de fuga, ilusão de volume e diálogo entre bi e tridimensional a partir de modelos vivos e o desenho da observação.

Detalhes

As figuras retratadas, embora derivadas de pessoas reais, são distorcidas e anamórficas, o que proporciona uma autenticidade e identidade visual muito peculiar do artista.

Ab

 
Casa Jacarepaguá
Rua João Della Manna,1228 - Butantã
São Paulo - SP - Brasil
05535-010
+5511-97158-9878

© 2017 by Jacarepaguá